Legalize já? (Artigo da semana)

Desde minha defesa da dissertação de mestrado, tenho recebidos muitos pedidos de acesso a ela. De fato, maconha e crime são temas populares. Aproveito a oportunidade para lançar mais uma seção no blog: “Artigo da semana”. Nas próximas edições, recomendarei alguns artigos científicos particularmente interessantes. Alguns novos, outros clássicos. Mas, por hora, vocês ficam com Albuquerque, Gustavo mesmo. Link e resumo abaixo. Depois, vem a figura que resume tudo para os apressados!

 

Título : Legalize it? The effects of California’s medical marijuana law on violent crime.

 

Tradução do Resumo:

Existe um grande debate entre acadêmicos e formuladores de política a respeito do efeito potencial da legalização das drogas no crime. Proponentes da legalização das drogas argumentam que a legalização levaria a mais consumo e crime. Já os defensores da legalização (e.g Friedman, 1991) argumentam que a proibição por si só causa mais crimes ao desviar recursos policiais do combate a outros tipos de crime e incentivar a violência por parte de participantes do mercado negro como forma de disputar mercado e cumprir contratos.

Nesse artigo, examinamos uma droga específica que responde por uma grande fração do mercado: maconha. Para isso, analisamos a experiência pioneira da Califórnia com a legalização da maconha medicinal, iniciada em 1996. A experiência californiana é particularmente interessante por se aproximar de uma legalização de facto da droga, mesmo para fins recreativos.

Nós usamos uma abordagem de controle sintético para estimar um contrafactual qual teria sido a taxa de criminalidade violenta na Califórnia na ausência de legalização da maconha medicinal. Este contrafactual é construído como uma média ponderada de outros estados americanos, cujos pesos são escolhidos de forma ótima para aproximar tal média a Califórnia, antes da mudança de política. Ao comparar a Califórnia com sua contrafactual (principalmente composto por Florida, Illinois e Texas), mostramos que,  no ano de 2006, a taxa de crimes violentos da Califórnia foi  13% menor do que o que teria sido na ausência da legalização da maconha medicinal.

Tem figuras!

ajustelnviolentrate2

Anúncios

3 comentários sobre “Legalize já? (Artigo da semana)

    1. De fato, overfitting levando a conclusões errôneas é uma das maiores preocupações em relação ao método. O número de anos pré-intervenção nos protege um pouco, mas não muito. Para nos precaver, adotamos dois tipos de medidas:

      1)Aplicar o mesmo método para outros estados como forma de placebo. Isso nos dá uma ideia da precisão “fora da amostra” e do quão provável é obter efeitos similares aos da Califórnia em estados que não sofreram tratamento. Tal abordagem também nos ajuda a obter p-valores. Concluímos dessa forma que a Califórnia tem o quarto resultado mais extremo, dentre 40. Do que se infere um p-valor de 10%. Mais detalhes na seção 3.1.1 e 5.2

      2)Aplicamos o método de controle sintético fazendo várias pequenas modificações, de forma a ver o quão robusto é o nosso resultado. Cada modificação leva a diferentes pesos. Mas o contrafctual permanece teimosamente abaixo do observado na Califórnia, reforçando nossa conclusão. Mais detalhes na seção 5.3

      Concluo reforçando que overfitting não deve ser uma preocupação particularmente importante nesse estudo em particular, justamente devido a essas precauções.Se há algum erro de estimação, ele deve se dever a fatores únicos à Califórnia. Ou seja, a Califórnia realmente sofreu algo que levou a essa queda de criminalidade, esse algo começou em torno de 1996-1998 e foi idiossincrático ao estado.

      Curtido por 1 pessoa

      1. Sobre a parte mais teórico-formal da sua dúvida, te aconselho a dar uma olhada nas referências. Aviso que o método é recente (formalizado em 2010) e talvez você não encontre respostas para todas as suas dúvidas. Se tiver alguma mais específica, tentarei responder. Também chamo atenção para o fato de que conclusões semelhantes foram encontradas com métodos mais tradicionais (regressão de diferenças-em-diferenças). Também referencio isso na dissertação.

        Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s